Notícias
 
Notícias
 
 
22 junho 2018
Prémio Reportagem: Escola Secundária Jorge Peixinho | Ensino Básico

Um debate para tod@s – Igualdade de Género

 

Foi com grande entusiasmo que o círculo de Setúbal chegou, dia 16 de abril de 2018, ao palácio de São Bento, com o objetivo ambicioso de contribuir para acabar com um dos mais antigos problemas da sociedade, que só há bem pouco tempo começou a ser discutido: A Desigualdade de Género.

 

Logo à chegada, constatámos que o edifício estava envolto em alta segurança. Ao ver tal segurança na belíssima fachada neoclássica, apercebemo-nos que estávamos perante um lugar sério, um dos mais importantes edifícios do estado português: estávamos perante a Assembleia da República. É no palácio de São Bento que se situa o órgão legislativo do estado português e nós, simples miúdos, sentimo-nos adultos ao entrar num local de tanta grandiosidade. Após a acreditação fomos caminhando pelos fantásticos corredores, que tão bem representam a arquitetura neoclássica.

 


Figura 1: Fachada neoclássica da Assembleia da República.

 

A ansiedade entre os representantes dos diversos círculos era enorme, mas com a oferta de um pequeno lanche de boas vindas, foi sendo gradualmente substituída pela determinação. E foi com esta determinação que os deputados começaram a dirigir-se para as respetivas salas das comissões. Afinal, estávamos nos mesmos corredores, nas mesmas salas, no mesmo espaço, onde usualmente estão os mais ilustres deputados, onde se debatem ideias e ideais, onde se aprovam leis, onde se muda o rumo do país. Ao caminharmos para as salas das comissões, começámos a sentir esse poder, acompanhado de uma grande responsabilidade…claramente, uma sensação para lembrar mais tarde!

Iniciaram-se então os trabalhos, nas quatro comissões formadas, que estavam a ser transmitidas em direto online no canal oficial da Assembleia da República. A Escola Secundária Jorge Peixinho, em representação do círculo de Setúbal, juntamente os colegas das escolas de Alcochete e da Moita defenderam, na terceira comissão, as três propostas apuradas anteriormente na sessão distrital. Ao longo da tarde, as discussões mostraram-se muito produtivas e saudáveis e decorreram a um bom ritmo.

 

Figura 2: Sala de uma das quatro comissões realizadas.

 

Enquanto os deputados desempenhavam, com grande sentido de responsabilidade, as suas funções nas respetivas comissões, aos jornalistas, foi dado o prazer de realizarem uma visita guiada pela Assembleia da República, onde puderam ficar a saber tudo sobre a história do local onde se encontravam.

O ponto de destaque foi a visita à Sala dos Paços Perdidos. Paços Perdidos, porquê? Tal como o próprio nome indica, trata-se de uma sala onde se “perdem” muitos passos pois é onde os jornalistas esperam pela saída dos deputados para os entrevistarem. Antigamente, era aberta a toda a população, hoje em dia apenas é permitida a entrada a jornalistas. À volta de uma carpete vermelha, móveis com muitos pormenores e detalhes notáveis, criam um ambiente de espera belíssimo, que ninguém consegue esquecer. 


Figura 3: Sala dos Passos Perdidos.

 

Mesmo ao lado da Sala dos Paços Perdidos, encontra-se, sem sombra de dúvida, a mais importante divisão do edifício: a Sala do Senado. É aqui que se realizam as sessões plenárias. Seria ali que, no dia seguinte, iríamos realizar a nossa sessão final do Parlamento dos Jovens 2018. Composta por um hemiciclo, onde se sentam os deputados, ordenados por partidos políticos, e pela Mesa da Assembleia da República, composta pelo Presidente, por quatro Vice-Presidentes, quatro Secretários e quatros Vice-Secretários, eleitos por maioria absoluta dos Deputados da legislatura vigente. Quinzenalmente, os membros do Governo, estão também presentes, para responderem às questões que os deputados possam colocar. Ocasionalmente, o Primeiro Ministro marca também presença.

 

A sala, pela arquitetura que apresenta, transporta-nos para a Grécia antiga, destacando-se a abóbada fantástica (onde estão representadas a Democracia, e os brasões das regiões administrativas de Portugal e das ex-colónias), umas grandes colunas que separam o hemiciclo das galerias e diversas figuras que representam a Constituição, a Lei, a Jurisprudência, a Eloquência, a Justiça e a Diplomacia.