Bem-vindo � nossa p�gina!

Nota � navega��o com tecnologias de apoio

Nesta p�gina encontra 1 elemento auxiliar de navega��o que permite saltar para o conte�do principal (tecla de atalho 1) | Saltar para o conte�do principal (tecla de atalho 1)
 
Cantinho do Português

Cantinho do Português

Esta rubrica tem como objetivo informar/esclarecer sobre muitas dúvidas na utilização da língua portuguesa, com as quais nos deparamos no dia a dia e que por vezes não sabemos onde encontrar a resposta. Mesmo procurando em gramáticas ou dicionários, por vezes a explicação que encontramos nem sempre é suficientemente compreensível para quem não domina as teorias subjacentes a uma linguagem mais especializada.

Assim, pretende-se, de uma forma clara, direta e despretensiosa, responder a dúvidas imediatas na utilização da língua portuguesa.

Esta rubrica procurará incluir os domínios da pronúncia, ortografia, léxico, flexão e sintaxe…

 

 


Forma correta: O moral


Quando nos referimos ao nosso estado de espírito, à nossa disposição, devemos usar o nome masculino o moral.

Exemplo: Ele saiu do exame com o moral elevado.

Quando nos referimos ao conjunto de valores e princípios que devem regular o nosso comportamento, como o respeito pelo outro, a honestidade, a fraternidade, devemos usar o nome feminino a moral.

Exemplo: É esta a moral do filme: o valor da amizade.

Fonte: Sandra Duarte Tavares, Falar Bem, Escrever melhor, A Esfera dos Livros, 1ª edição, 2106

 

Existe algum pontapé na frase?

 

“O polícia exigiu que o condutor fizesse o teste de alcoolémia.”             

  1. Não, a frase está correta.

  2. Sim, não se deve dizer “alcoolémia”, mas sim “alcoolemia”.


  A resposta correta é a opção B

 

 O  nome alcoolemia designa a presença de álcool no sangue e é de origem grega -emia (haima + ia), o qual exprime a ideia de sangue.

 Existem outras palavras formadas por este elemento grego: anemia, leucemia, glicemia, toxicemia… Também alcoolemia é uma palavra grave, cuja sílaba tónica é a penúltima

(mi), pelo que não deve ser grafada com acento gráfico.

 Fonte:  DIAS, Joana e TAVARES, Sandra Duarte - Pontapés na gramática, Porto: Areal Ed., 2013

 

aderência / adesão

 

aderência - união entre superfícies

Exemplo: Esta fita-cola perdeu a aderência.

adesão - aprovação, concordância

  1. Exemplo: A adesão dos alunos ao projeto ambiental foi de 100%.

Fonte: TAVARES, Sandra Duarte - Falar bem, escrever melhor, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2016

 

ao encontro de / de encontro a 

 

 

ao encontro de  - na direção de, de acordo com

     

Exemplo: É nosso desejo ir ao encontro das expectativas dos clientes.


de encontro a  - contra

 

Exemplo: A menina ia a correr e foi de encontro à parede.

 

 

Fonte: TAVARES, Sandra Duarte - Falar bem, escrever melhor, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2016

 

 

Forma correta: Há bocado

 

O nome bocado, associado  à forma verbal , indica um valor temporal, sinónimo de “um pequeno intervalo de tempo”. É possível substituir, neste caso, a forma verbal

 

 pela forma verbal faz.

 

Exemplo: Há bocado encontrei o João. = Faz um bocado (de tempo) que encontrei o João.

 


Fonte: TAVARES, Sandra Duarte - 500 Erros mais comuns da língua portuguesa. 6ª edição, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2015

 

 

Complete a frase

 

“A um habitante da Madeira chamamos madeirense, a um dos Açores chamamos…”


A. açoriano

 

B. açoreano

 


A resposta correta é a opção A

 

 

A palavra açoriano é formada pelo sufixo -iano, que entra na formação dos nomes como canadiano e cabo-verdiano. Esse sufixo associou-se ao singular açor, dando, assim,

 

origem, à forma açoriano, com i.

 

Fonte:  DIAS, Joana e TAVARES, Sandra Duarte - Pontapés na gramática, Porto: Areal Ed., 2013

 

 

Forma correta: Atraem

 

A forma verbal atraem está na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo do verbo atrair e escreve-se sem “i” entre a vogal “a”e a vogal “e”. A colocação da vogal “i”

 

acontece na oralidade (e com implicação na escrita) com o objetivo de estabelecer a ligação entre duas vogais em hiato (encontro de duas vogais que não formam ditongo).


Exemplo: Os festivais de verão atraem muitos jovens. 

 

Fonte: TAVARES, Sandra Duarte -  500 Erros mais comuns da língua portuguesa. 6ª edição, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2015.

 

 

 

 

 


Complete a frase

 

“Cada um dos caracteres tipográficos designa-se…”   


A. caráter

 

B. caráter


A resposta correta é a opção B): caráter.


Caráter provém do grego kharákter, pelo latim character e significa não só “personalidade, temperamento, índole, génio de uma pessoa”, mas também todas as acessões relativas a

 

letras, tipos ou sinais, no domínio da tipografia e da informática. O seu plural é carateres

 

Fonte:  DIAS, Joana e TAVARES, Sandra Duarte - Pontapés na gramática, Porto: Areal Ed., 2013

 

 

 

 



Concordância com o verbo TRATAR-SE DE 

 

 

 

 

 

O verbo tratar, sempre que é acompanhado da preposição de, não se conjuga no plural, uma vez que é um verbo impessoal (substituível pelo verbo ser). Assim, nunca exibe

 

concordância com o grupo nominal que se lhe segue, ainda que esteja no plural.


Exemplo: Esses mamíferos? Julgo tratar-se de linces-ibéricos.

 

Fonte: TAVARES, Sandra Duarte - Falar bem, escrever melhor, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2016

 

 

 

 

 

 

Forma correta: Áudio

 

A palavra áudio designa o conjunto de técnicas usadas na gravação e transmissão de sons. Provém da forma latina audio, que correspondia à 1ª pessoa do presente do indicativo do

verbo audire (ouvir). Na sua adaptação ao português, a palavra tornou-se esdrúxula, pelo que a vogal “a” dever ser grafada com acento agudo.

 Exemplo:A gravação foi feita em áudio.

Fonte: TAVARES, Sandra Duarte - 500 Erros mais comuns da língua portuguesa. 6ª edição, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2015.

 

 

Forma correta: Através

 

O advérbio através é formado por prefixação (a + través) e significa “transversalmente, de lado a lado”. Escreve-se com um “s” final.

Exemplo: Tivemos uma reunião através do Zoom.

 Fonte: TAVARES, Sandra Duarte - 500 Erros mais comuns da língua portuguesa. 6ª edição, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2015.

 

 

 

Corrija o pontapé lexical na frase

 

“Depois da audição, o juiz emitiu um mandato de captura contra esse homem.”

 

A. Deve dizer-se “omitiu” e não “emitiu”

B. Deve dizer-se “mandado” e não “mandato”.

A resposta correta é a opção B): Deve dizer-se “mandado” e não “mandato”.

 

 O nome mandado provém do particípio passado do verbo mandar e designa uma ordem oficial do tipo imperativo. Por exemplo: “Depois da audição, o juiz decidiu emitir um 

 mandado de captura contra esse homem.”

 

O nome mandato designa o período durante o qual alguém detém os poderes de cargo para o qual foi eleito, por exemplo: “O mandato do presidente está quase a terminar.” 

Fonte:  DIAS, Joana e TAVARES, Sandra Duarte - Pontapés na gramática, Porto: Areal Ed., 2013

 

Concordância sintática

 

A concordância sintática é a relação sintática estabelecida entre duas palavras, no que diz respeito ao género, número e pessoa.

Vamos ver algumas regras de concordância sintática:

 

1.     Concordância entre o sujeito e o predicado

O verbo deve estar no plural nos seguintes casos:

a)     Quando o sujeito ocorre depois do verbo:

EX.: Abençoadas férias!

 

b)     Quando o verbo ocorre antes de um sujeito composto (significa mais do que um sujeito na frase):

EX.: Chegaram os alunos e os professores. (“alunos” e “professores” são o sujeito da frase)

 

c)     Quando o verbo ser ocorre com um predicativo do sujeito no plural.

EX.: A vida não são rosas (“rosas” é o predicativo do sujeito).

 

d)     Quando o verbo ocorre com a expressão “um dos que”, e o antecedente está no plural.

EX.: Este é um dos alunos que ganharam prémios.

 

O verbo deve estar no singular nos seguintes casos:

a)     Quando o sujeito é constituído por dois infinitivos.

EX.: Praticar exercício físico e comer moderadamente traz benefícios para a saúde (“Praticar” e “comer” estão no infinitivo).

 

b)     Quando o sujeito é o pronome relativo quem.

EX.: Fomos nós quem resolveu o problema.

Fonte: Sandra Duarte Tavares - Falar bem, escrever melhor, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2106

 

 

 

 

 


Nunca deixes de estar informado! Esclarece as tuas dúvidas!
  • ENC. DE PROTEÇÃO DE DADOS
  • João Carlos Mourato (DSRLVT)

  • Praça de Alvalade 12
    1749-070 Lisboa
    Portugal

  • TEL.: 218 433 900

  • rgpd.dsrlvt@dgeste.mec.pt

  • Abrir Regulamento Geral

  • CONTACTOS
  • Avenida José da Silva Leite
    2870-160 Montijo
    Portugal

  • TEL.: 21 232 62 80
    FAX: 21 232 62 82 / 88

  • geral@esjp.pt